COVID-19 – CRIANÇAS EM QUARENTENA

Dada a grave situação de saúde pública com que nos enfrentamos, e da qual todos nos devemos proteger, importa repensar as estratégias de defesa contra a propagação do virus – COVID-19.

A forma mais eficaz, de conter a propagação da atividade viral é a quarentena. Todavia, tal representa um desafio em termos de relacionamentos sociais entre os membros dos agregados familiares, sobretudo com crianças.

Assim, sugerimos as recomendações da Ordem dos Psicólogos Portugueses:

– Uma situação de isolamento pode ser particularmente difícil para crianças pequenas. Podem sentir-se tristes, ansiosas, com medo, confusas com a alteração das rotinas diárias e com saudades dos amigos. Podem fazer mais “birras” e mostrar-se mais dependentes, irritáveis e terem dificuldade em adormecer.

– Aceite que existirão conflitos e “birras”. Seja compreensivo e paciente perante estes comportamentos e tente resolvê-los rapidamente.

– Dê-lhes oportunidade para expressarem os seus sentimentos e receios. Explique-lhes o que se passa e tranquilize-as utilizando linguagem apropriada à idade. Explique-lhes a importância do isolamento e assegure-as de que são apenas alguns dias.

– As crianças podem ficar facilmente perturbadas pelo que ouvem ou vêem na televisão. Limite a sua exposição a notícias que as possam perturbar, procurando informá-las em linguagem adequada da situação actual.

– Procure manter as actividades diárias habituais, nomeadamente a hora das refeições e de ir dormir, proporcionando-lhes espaço para brincar.
Encare a situação de isolamento como uma oportunidade de passarem mais tempo juntos e realizarem actividades em conjunto.

– Não recorra exclusivamente à televisão e a outras tecnologias. Aproveitem para realizar actividades para as quais não costumam ter tempo: jogos de tabuleiro, trabalhos manuais, desenhos, leitura.

– No caso de crianças em idade escolar, peça ao professor que lhe envie por email informação de estudo, actividades ou trabalhos.

– Assegure que, sendo possível, durante o dia, os cuidadores, à vez, têm algum tempo apenas para si próprios. E que, havendo mais de uma criança, também possa haver espaço para realizarem actividades em separado.